22.6.12

o espelho de ângelo


Calculando, nobre Ângelo, o número exato de quadriláteros no chão de casa. As poucas visitas na memória. Assim é o buraco, aproxime a cabeça e verás um espelho no fundo do lago. Não minto quando digo que a tua cabeça é mais bela, mas se o pudor persistir lanço meu melhor conselho: não beba, fume seus cigarros e qualquer palavra mal dita ecoará nas semanas futuras. Temos que manter cautela, os buracos escorregadios nos espreitam. Caindo, o que acontece? O buraco sugará nossas roupas? A visão de fim de jogo nos acompanha, fingimos antipatia, conhecemos pessoas interessantes. Mas o mais bêbado dos ladrões diz que nos deslumbramos com as novas ramagens. Não é pecado. Somos ursos polares buscando frio no grande sol de uma noite dançante. Quem nos vê não vai embora, quem parte pra longe luta contra a insônia. Eu deveria ter lutado contra o buraco, por isso transformei moedas em carvão. Meu corpo é uma paisagem de grama narrada pelos seguidores do profeta morto. Não deixei nenhum escrito para a posteridade de estantes. Os adeptos desta filosofia ouvem, com as mãos no queixo, as parábolas de quem não me impede de humanizar o buraco.

Meu horror: baixa imunidade no pensamento de luta. Diante da enxurrada de informações forçadas tive que invadir a conversa alheia, só assim eu teria motivo para ser visto – e na melhor das hipóteses, admirado por quebrar a falsidade de convidado em casa estranha. No primeiro rosto a rosto um copo caído, derramando cerveja nas vestimentas ricamente limpas: banho nas partes íntimas.

No urro, e no inchaço, caro Ângelo, o animal se recompõe para a próxima mordida. Prometeram-me distância ancorada no baú de objetos pontiagudos. Sangue ferindo o mundo, criação da cor vermelha. Tornei-me pedra no chão: pedaço de concreto frágil – suculento para um fluxo de perdas. Homem algum dizendo: tu não serás monumento. É Ângelo quem maquia a minha memória. Dinamite: comparação com a potência de motores de carros. O automóvel atinge o muro, o buraco se fecha. 

15 comentários:

  1. vamos por partes, meu caro Watson.

    1) "não beba, fume seus cigarros e qualquer palavra mal dita ecoará nas semanas futuras"
    - sei muito bem o que é isso. a arte de futricar a vida alheia, mesmo que o "alheio" esteja inerte, é muito atraente ao ser humano {pobre de espírito}

    2) "quem parte pra longe luta contra a insônia. Eu deveria ter lutado contra o buraco, por isso transformei moedas em carvão"
    - pois então, que vivamos como carvão

    3) "Meu corpo é uma paisagem de grama narrada pelos seguidores do profeta morto"
    - não mesmo {a não ser que o profeta morto seja você mesmo}

    fan-tás-ti-co. tragédia social morderna. na escrita pós-moderna.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. análise mais perfeita,impossível, amiga. :)

      Excluir
  2. a tragicomédia dos nossos dias, dava peça de teatro...

    [nem sempre encontro um mar onde navegar, aqui sinto que sei por onde viajar]

    beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo também.
      não é à toa que viram teatro MESMO.

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Primeira vez no blog (ao menos, que eu me lembre). Curti. Gostei do texto carregado de metáforas. A lógica me diz que você descreve um personagem deslocado.Talvez envolto no manto inseguro que o mundo oferece.Vai saber...
    @blogabs

    Blog Emilie

    Escreve

    ResponderExcluir
  5. no final das contas é só aquilo: quem te garante que o que você é, é o que outro espera de você?

    ResponderExcluir
  6. O espelho não revela a bagunça dos nossos cômodos.

    Todos os buracos da vida moderna estão agora rebocados em seu texto.
    É Fantástico!

    ResponderExcluir
  7. 'O espelho não revela a bagunça dos nossos cômodos.'
    era isso mesmo que eu pensava! isso mesmo.
    o anderson disse tudo!

    ResponderExcluir
  8. Tanto acho que o espelho revela a bagunça, como também faz ela parecer muito maior. Basta olhar direito. Bem profundo, atras dos reflexos disfarçados só por fora. A poeira esta toda embaixo do tapete, e ninguém ver... E isso se prolonga pra tudo, não apenas pro que guardamos dentro da gente...
    Belo post, visitei e agora permaneço. +ff
    Até breve; Sem Guarda-Chuvas

    ResponderExcluir
  9. Antonio, eu estou casada, em um relacionamento aberto apenas para as possibilidades existentes dentro dele. De forma que ir sozinha à uma boate gay (daqui de Salvador) implicaria em, possivelmente, sair de lá acompanhada de outra pessoa, provavelmente do mesmo sexo que eu.
    Não tive pretensão de ofender ninguém, até porque, tenho muitos amigos homossexuais e não sou o tipo de mulher besta que adora adjetivar o amigo gay de "amigo gay", como se ele nada mais fosse além disso. Fora o fato de que gosto de boates com temática gay. Quando trabalhei como modelo, passei dois anos fazendo editoriais e propagandas para uma dessas boates, situadas no bairro do Rio Vermelho. Hoje, quem sustenta e anima o Rio Vermelho são as boates dessa temática, o que é ótimo, mas também uma pena pela ausência de diversidade. Por exemplo: lá tinha uma boate que tocava MPB e servia cafezinho, estilo botequim. E as boates com temática gay tem muita musica eletrônica e muito colorido bacana, mas às vezes eu não estou nesse clima, compreende?
    Perdão se você se sentiu mal com isso. Eu gosto muito de ler o que você escreve e não foi a minha intenção.
    Por favor, mande resposta. Abraços.

    ResponderExcluir
  10. O espelho do lago deforma o rosto, ainda mais quando a queda o deixa trêmulo.

    Obrigada pela visita e pela oportunidade de conhecer seu espaço. :)

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  11. Texto incrível, Antonio! E super me identifiquei. Adorei tudo que você disse e da forma como disse: "Tornei-me pedra no chão: pedaço de concreto frágil – suculento para um fluxo de perdas".

    Bjo grande!

    ResponderExcluir