16.6.12

nervous breakdown



Saturday night lights e a coragem exigida para mergulhar dentro, muito dentro de você. Mas eu poderia falar sobre outra coisa, explicar o porquê e etc.

Bobinho, tudo é uma questão de tática. Tática do absurdo numa realidade contra o terror de nós mesmos – eu, que já não quero falar de nós quando na verdade o desejo é aquele antigo direito de encarar o clichê do rosto diante do espelho. Levanto e tranco a porta do quarto. Eu quero que você fuja daqui, que me esqueça. O silêncio do quarto como testemunha da palavra a ser dita, mas por alguma razão omitida.

Sensação bebê de Rosemary.

Sensação “direito ao grito” (vide Clarice Lispector hoje tão vítima de gente tonta e equivocada).
But I don´t know what to do.

(Assunto tratado sob o aspecto de uma mente quase doentia. A culpa? Um mero palpite aqui dentro).

Call 911.

22 comentários:

  1. "Sensação bebê de Rosemary" é algo constante! Texto phoda! Valeu.

    ResponderExcluir
  2. 1. Sábado a noite. Trancar a porta. Fugir. É tudo o que meu estado de espírito me permitiu aproveitar. Ah, e é claro. Este terror. De nós. Contra nós. E tão revelador.

    2. Você e suas belas caveiras.

    3. Clarice, agradece a defesa.

    4. Perdoe meu estado de espírito.

    ResponderExcluir
  3. E tudo é tão singelo que acho o medo a melhor saída, ou o refúgio dele mesmo. Sei lá.

    ResponderExcluir
  4. Sensação bebê de Rosemary foi demais, cara.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sensação bebê de rosemary sendo um sucesso. rs ;)

      Excluir
  5. porra, ainda bem que você me fez uma visita...

    [as imagens são perfeitas]

    I still don´t know what to do

    beijo

    ResponderExcluir
  6. acho que o meu post que te caiu como uma luva se complementa com esse seu aqui.
    será que tem algum culpado nisso?

    ResponderExcluir
  7. Pois eu admiro seu blog há algum tempo e fico contente ao saber que é recíproco :)

    ResponderExcluir
  8. tá, peraí, o que você faz mesmo? hahaha

    ResponderExcluir
  9. a sensação que tive é que o que está afligindo por dentro, começa a quebrar de dentro pra fora pra sair. essa imagem complementa bem o texto.

    ~~

    faço minhas as palavras da Laura Roberto: porra, ainda bem que você me visitou! HAHAHAHA sabe-se lá quanto tempo eu demoraria pra achar o seu blog... talvez nunca o encontrasse... adorei todas as imagens que você usou (pelo menos nos últimos posts)

    :*

    ResponderExcluir
  10. Não raro mesmo o grito diz pouco.
    GK

    ResponderExcluir
  11. minha sensação é que seu texto é composto com flashes. rápidos. cegantes.

    ResponderExcluir
  12. O silencio profundo, doentio? Não creio.
    Fascinante.

    ResponderExcluir
  13. "O silêncio do quarto como testemunha da palavra a ser dita, mas por alguma razão omitida."

    Muitas noites assim...e até as manhãs...

    ResponderExcluir
  14. a imagem é show hahaha, e to em duvida se entendi a 'sensação bebê de rosemary'.

    ResponderExcluir
  15. Feche a porta do seu quarto, pois se toca o telefone pode ser alguém que desejo ignorar por horas e horas e horas.

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. Muito show teu texto caramba que imagem fantástica uau kkk muito legal teu blog, tdo de bom já to seguindo..

    Adorei o post.
    Da uma passadinha no meu blog ?

    >> http://estilo4u.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. "Sensação bebê de Rosemary". Adorei isso! E também a foto.

    ResponderExcluir
  19. Concordo! Clarice lispector, Fernando Pessoa e Caio Fernando de Abreu. Não há, hoje, gente mais injustiçada que eles. rs
    Belo texto!

    ResponderExcluir
  20. Adorei o(s) texto(s) e o blog. Parabéns!

    ResponderExcluir