26.12.11

orangotango


Não consigo largar os cigarros. Caio em tentação após cada baforada. Penso na vida e eis uma verdade: nem mesmo eu consigo me levar a sério anymore. E isso faz parte dos planos de sobrevivência – sem que eu perceba? – pois já não me importo com os solavancos do destino que, por mais que se tente, não mostra as garras, e sim mar calmo, azul, pacífico. Não é por afronta ou vingança que os meus diários conspiram a favor de um insight versus tom blasé, numa mistura de códigos e suspeitas. Meu coração já não é uma arma. O tempo passa e é preciso organizar as horas, os papéis amontoados, as fotografias, separar o joio do trigo, escrever cartas, encarar o rosto no espelho, planejar viagens, cumprir as obrigações dos dias, ler, lavar os pratos, cruzar engarrafamentos, superar os traumas de infância, enxergar de perto o amor que se tornou fragmentado etc.

Imagem: Geraldine Kang

19 comentários:

  1. E no fim das contas não é tudo o que nos resta a fazer: super os traumas de infância, get over ourselves?

    lindo =**

    ResponderExcluir
  2. Não se perturbe, tantas pequenas coisas a gente não consegue largar...


    ao contrário... nos predominam,


    Bjkas

    ResponderExcluir
  3. Tão eu. A parte dos cigarros também. Dizem que ter força de vontade é o melhor remédio, mas desconfio de tudo que dizem ser rápido e ter solução milagrosa. Talvez apenas o esquecimento.

    ResponderExcluir
  4. "Penso na vida e eis uma verdade: nem mesmo eu consigo me levar a sério anymore." tbm estou nessa.

    Mas, larga esse cigarro, gato! Nada que tenha aquele cheiro horrível pode ser bom..

    E.. planejar viagens?! Isso não é obrigação! ¬¬ hahaha Invejinha...

    =*

    ResponderExcluir
  5. O ser humano é feito de muitas coisas que se adquirem e se perdem ao longo da vida.
    Aprendemos a comer e a falar
    Aprendemos a controlar as nossas palavras e a fazer explodir as nossas fúrias.
    Fomos ganhando formas que aceitamos e de que gostámos,entortando os cabelos mais à esquerda ou mais para cima, vestindo roupas mais claras ou mais discretas.
    Os vícios foram uma sequência de uma sociedade onde vivemos.
    Fuma quem quer e tem dinheiro para o fazer...
    Também fumei e pensava que seria a mina sina até morrer.
    Um dia parei. A única coisa que me prometi foi a de nunca mais comprar cigarros nem pedi-los ou aceitá-los de alguém.
    2002 fica distante e a vontade ainda me habita. Cada dia que passa sinto e vivo a vitória de ter conseguido estes anos sem fraquejar.
    Agradeço a todos pela força que me deram.

    ResponderExcluir
  6. Caramba...muito bom seu texto, você misturou de uma ótima forma tantas coisas complicadas que nos assombram dia após dia...muito bom!!

    Ah, e qdo largar o cigarro, me diga como fez! rsrs

    []ss

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde...penso ser muito triste so descobrirmos quem somos e o que podemos fazer quando ja estamos com o pé na cova...Sim, pois as maiorias, e digo maioria porque é mesmo, se descobre e se reinventa, muda seu estilo por conta propria, vicios e habitos, costumes e vontades, desejos de liberdade, somente quando atinge a maioridade, terceira idade...Incrivel, mas acredite...pura verdade!! Então, vira adolescente, usa tenis, camiseta, calcinha fio dental, faz rolinhos no cabelo e ate resolve fumar um baseado por conta do cancer...Pura verdade!! Enfim, é a nossa realidade, do animal racional...dualidade na terceira idade....Fatal!! Simone deixa aqui bjinhos pra ti e um Feliz Ano Novo repleto de felicidade e sem maldade!!

    ResponderExcluir
  8. consegui largar todos os vícios que tinha, a bebida, a marijuana, menos o cigarro. acho que exatamente por ter essa lista enormes de coisas me esperando na vida, simplesmente não consigo.
    adorei seu texto.

    http://www.citacoesecia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Sério? Rs... adorei saber =)

    que layout charmoso!

    ResponderExcluir
  10. Quando o coração deixou de ser arma, o cotidiano segue seu natural (ou não) caminho.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  11. Acontece o mesmo comigo, só que não fumo, não consigo é libertar-me da desorganização mental que me fere o tempo.
    Um abraço dum 2012 esplendoroso :-)

    ResponderExcluir
  12. Realmente a vida nos vem calma, nem desconfiamos que mais cedo ou mais tarde suas garras vão sair dos dedos que hoje nos acariciam! Rsrs, ahh, feliz 2012 pra ti!

    ResponderExcluir
  13. O tempo passa e, para não sermos atropelados por ele, temos que buscar a leveza, a tranquilidade e a simplicidade das coisas.

    Que texto bonito!

    ResponderExcluir
  14. Senti como se tivesse lendo um livro de um escritor famoso. Nossa, você escreve bem demais! :)

    ResponderExcluir
  15. Como vai moço? Feliz 2012 inspirador. abs

    ResponderExcluir
  16. Resumindo: é bom viver apesar de todos os blecautes.

    Pare de fumar!
    rs

    Feliz 2012,

    ResponderExcluir
  17. Seu texto hoje é uma verdade em grito.Um beijo Toninho.

    ResponderExcluir
  18. Vim aqui outro dia no momento de processo de respirar um quase fim de um relacionamento de amor e construção. Achei esse post que me ajudou. Brigado por jogar essas e outras coisas no mundo. Tô baixando o disco da postagem anterior. ;)

    ResponderExcluir