20.3.11

what if i take my problem to the united nations?


Olá, aqui estou, criando o milésimo blog da vida, afinal a vida é um turbilhão de tentativas, né? Pois sim, resolvi criar este espaço para escrever, narrar, projetar, registrar & transmitir várias coisas que penso. Não se trata de Literatura, pois não há Literatura aqui. É meu caderno de rabiscos sobre os acontecimentos dos dias, conversas com amigos, situações vivenciadas & ainda não superadas, processos de verbalização que merecem algum rastro. & como uma consulta com um bom analista não é tão acessível às massas, faço deste blog uma análise comigo mesmo & com possíveis leitores -- porque na verdade blog é uma coisa chata, às vezes. (Estou confuso).

Também não é diário, pois não sou louco (o suficiente) pra detalhar a minha vida pessoal ou citar nomes de pessoas que amo -- incluindo as que odeio & as que quero que o vento parta. Meu momento revolta estará aqui, poderei expulsar sentimentos parasitas -- coisas que nem os amigos mais íntimos suportam. É como disse alguém muito importante (& morto), não lembro quem: "Fale com uma pessoa sobre ela mesma e ela irá lhe ouvir por horas". É isso, muita presunção, crise de ego, falta de educação & falsidade por aí. O esquecimento será muito bem vindo se você se encaixa em todas essas características.

Estou na fase do "não vale a pena argumentar", & de vez em quando me saboto, sim, todos se sabotam. Nos posts seguintes entrarei em detalhes. Primeiro você deve sentar, analisar bem se certas coisas merecem o seu tempo e a sua inteligência, principalmente. Vou rezar pra não cair em contradição/tentação & manter as atualizações de acordo com as novidades, portanto: querida vida, você está intimada a mostrar seu belo sorriso, & não as suas estrias, pés de galinha e gordura acumulada.

Ontem acordei numa ressaca dos diabos, mas valeu a pena. Consegui tempo pra encontrar a amiga/consultora de assuntos profundos/parceira nas conversas by phone/tiete de plantão/companheira de alma & inadaptação Joana Darc Rosa, ou Joana Rosa, como ela prefere.

Sim, nos encontramos, esperando que ninguém ousasse interromper nosso papo transcendenatal. Mas infelizmente aquelas personas sem um mínimo de educação se aproximaram, sentaram, beberam & everything. Como somos pessoas adultas, vacinadas, bem resolvidas & diplomáticas, seguimos o fluxo das coincidências bizarras & entramos no jogo. Já estávamos bêbados quando o amigo A. chegou para ser mais um membro da botecagem das sextas. Bom saber que Joana está de volta, ela foi umas das primeiras pessoas a ler & a incentivar o meu processo de escrita, principalmente nos esboços do meu primeiro livro.

& o dia seguinte, isto é, ontem, foi complicado. No trabalho, a dependência inconveniente dos hóspedes que me abordavam por qualquer razão nula, o que me fez pensar quão grande é a carência do ser humano. Conselho do dia: baby, resolva suas questões, desenhe, faça um escândalo, escreva um livro, encha a cara, porém saiba disfarçar seus dilemas, principalmente com estranhos, ninguém é obrigado a isso.

O fio da meada está por vir. Tudo aqui é mera realidade numa visão menos dadaísta. É a retratação da modernidade metálica, proveitosa, inconsequente abaixo da linha do Equador. Há pecado nisso?

Música do dia: The Words That Maketh Murder (PJ Harvey)

Besos,

Antônio LaCarne

5 comentários:

  1. Sinto que esse vai ser o blog que mais vou ler e participar!

    ResponderExcluir
  2. Com certeza, e você fará parte dela, aquela coisa impenetrável.

    ResponderExcluir
  3. Parece-me que este "im" é também inconstância, afinal sinto que tua nova casa é bastante penetrável - mas que qualidade mais capciosa, hein? haha

    Também, comparando com seu último blog, acho que vou gostar mais deste. Gosto do branco, gosto das tuas letras, gosto da liberdade criativa. :) Sucesso aqui e acolá, my friend.

    ResponderExcluir
  4. Querido Alex, você é muito bem vindo! Espero poder contar com sua visita sempre, pois pra mim é uma HONRA ter você como leitor. Abração!

    ResponderExcluir
  5. De auto-sabotagem e falsidade a gente sabe. Tem gente que entende mas, eu sei.

    ResponderExcluir